26 de fevereiro de 2013

Bicicleta





Ninguém irá libertar seus medos, a não ser você mesmo.
E.L

Eu sempre fui certinha demais, a garota que pensa muito no que os outros vão dizer. E, por isso segue na linha. Sou uma medrosa de plantão, não do tipo que tem medo de baratas, embora tenha pavor do escuro -, sou do tipo que tenho medo da vida. Quando criança passava mais tempo com minhas bonecas do que andando de bicicleta. As bonecas eram meu refúgio – o mundo da fantasia que geralmente eu não queria sair.

Quando resolvi sair do quarto para andar de bicicleta, cair feito uma pata do chão machuquei feio meu joelho – péssima ideia. Ainda tive que escutar: eu falei que ia se machucar! Desse dia pra cá, silencio-me para não ter que encarar o mundo, mas o tempo acaba ensinando: zona de conforto é ótima até certo ponto, depois se torna desagradável.

Luto para me livrar desse medo-cruel que domina boa parte de mim, meu coração tem uma vontade imensa de liberta-se. Arriscar ao menos uma vez, criar coragem para falar tudo que penso e acho. É difícil se desprender de suas limitações. Não falo sair por aí, xingando meio mundo. E, sim não perder as oportunidades por medo.

Coragem. Exercício mental que ando praticando. “Olha eu cresci, não tenho mais 15 anos!” preciso dizer o que penso! Ultimamente ficar guardando sentimentos anda me sufocando. Se eu vou cair lá na frente, sei que vai machucar. Mas têm coisas na vida que ninguém passará por você. São os tombos, arranhões e cicatrizes que fortalecem nossa personalidade.

Sabe que as pessoas estão indo á luta – embora ás vezes se dê mal, e você está assistindo tevê, não é nada  bonito. É vergonhoso. O medo tem poder, se você alimentá-lo ele cresce, ganha vida e fica impossível doma-lo.

Eu dei um grande passo dia desses... pois é, algo admirável. Falei para o medo cair fora mesmo morrendo de medo, ele queria porque queria me assustar, o que faz sempre e muito bem. Agora eu não caio nas suas armadilhas! Pelo menos tento. A bicicleta está esperando por mim, afinal um machucadinho de vez enquanto não faz mal a ninguém.






5 comentários:

Aione Simões disse...

Oi flor!
Sabe, me identifico em muitos pontos que você colocou. Sou uma das pessoas mais medrosas que conheço.
Mas, quer saber? Eu acho que não é questão de lutar para o medo deixar de existir. Nós somos assim e ele faz parte de nós. Precisamos é lutar para conseguir passar por cima dele, para não deixar que ele nos pare.
O importante é que façamos, mesmo que por dentro o medo continue assombrando :)
Beijão!

camila disse...

Oi Amiga, que texto lindo!!
Não podemos ficar parados não é mesmo?!
Então tem que correr atras, e sem medo de se machucar, pois é como vc falou agente se machuca mais se fortalece também..

beijos Mila
http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

Glaucea Vaccari disse...

Que texto lindo. Me identifiquei com algumas partes.
Eu sou do tipo que tem medo de muitas coisas, mas ultimamente tô fazendo igual diz o texto, mandando ele cair fora.
Bjo

Paloma Viricio disse...

Olá Érica! às vezes é difícil superar os obstáculos da vida, né? Mas...adorei seu texto e também acho que devemos ir atrás e pelo menos tentar.
Beijos!
Paloma Viricio- Jornalismo na Alma

Marco Antonio disse...

Boa noite Érica,

Você sempre posta lindos texto aqui e eu particulamente gosto muito...parabéns...abçs.


http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

 

Primeiro Livro © 2012 - Todos os Direitos Reservados. Amanda Cristina