3 de setembro de 2018

Adiar...


    Escrever requer disciplina e comprometido, e se você não seguir a risca, não sai do lugar. Eu li uma frase que mesmo sendo clichê me fez refleti. “Saia da zona de conforto!”.  A zona de conforto é tão perigosa, quando você se dá conta, o tempo passou e você nada fez. E as desculpas? Elas também acompanham a zona de conforto. 

Não me orgulho, mas eu utilizei várias delas: o computador é lento, preciso dá atenção para minha filha, a louça está pia, a máquina está cheia de roupa, a casa uma bagunça, o trabalho foi cansativo, amanhã eu escrevo.
     
   Eu repetia esse mantra todos os dias, amanhã, amanhã... Fui adiando a escrita, até perceber que estava adiando meus sonhos, um dia sem escrever é deixar meu sonho para trás. Conciliar a vida profissional, com a maternidade não é nada fácil.
   
    Ser mãe não significa ter que renunciar a vida de antes, meus sonhos, carreira profissional. Pelo contrário, a maternidade te evolui, te faz melhor como pessoa.

    Claro que tem dia é pior que outro, tem complicações, desafios, a entrega que você não conseguiu realizar, o dentinho saindo, febres, noites sem dormir... Contudo, viver requer força, a vida profissional garra, ser mãe implica ser sábia e segura.

O que me faz feliz, e me impulsiona a lutar sem dúvida advêm da minha família. Contra tempos vão existir e se eu continuar a adiar, não serei feliz por completo.

     Escrever faz parte da minha essência.

   Vou conseguir escrever todos os dias? Adoraria. Embora, não consiga. O que não pode acontecer é desistir, ignorar.

   Se o desespero aparecer, respire, tenha calma, ás vezes é preciso dá um tempo para algumas coisas. 

   A felicidade é espontânea, o melhor da vida acontece naturalmente.
  
  E se a zona de conforto bater à sua porta, lhe mande um beijo e a mande embora!








18 de dezembro de 2017

Os desafios da maternidade





O teste de farmácia indica que sim e o exame de sangue evidencia a boa notícia. Você quer espalhar para Deus e o mundo, mas é melhor esperar até o 3° mês. Finalmente ele chega, seus familiares e amigos lhe parabenizam... E você começa a se preparar para receber seu bebezinho, inicia o pré-natal, as consultas ao médico são frequentes. Sua alimentação muda... frutas, legumes, litros e mais litros de água por dia, vitaminas, caminhadas. Você começa a seguir no Instagram futuras ou mamães, pesquisa livros sobre a maternidade, e as roupas? O quarto e o nome? Será que ele vai gostar? Tudo ao seu redor passa a girar em torno de um serzinho que nem imagina o que está acontecendo do lado de fora.
Você acredita que tudo que sonhou saia exatamente como planejou, mas a vida não segue uma regra. Pelo contrário, ela adora trabalhar com imprevistos.
Ser mãe é algo que vai muito além da ordem. Quando você tem um filho, automaticamente você é levada para outra dimensão, zona de conforto? Comodismo? Palavras totalmente desconhecidas quando você se torna mãe.
Ter um filho é aprender a buscar respostas, é decifrar o choro, é ser heroína todos os dias sem ganhar nenhum mérito. É ser paciente, olhar a roupa limpa que acabou de ser trocada cheia leite e quando você se prepara para dá uma bronca, ele gargalha e você se derrete.  
Você vai ser mãe e uma coisa eu te digo: mesmo planejando, organizando, analisando tudo nos mínimos detalhes, você terá surpresas. São meses de adaptação, você pensa que não vai dá conta… e acaba não dando. Você quer dormir um pouco mais, o que consegue com sorte são 4 horas de sono.  Você vai querer chorar, implorar por colo, vai tentar achar respostas em livros, sites, bula...improvável ou  não, seu filho é quem dará as respostas.
Os sorrisos gratuitos, a mão na boca querendo dizer que está mandando beijos, o aconchego nos seus braços na hora de dormir, a tentativa de chamar “mama”... com certeza você vai desejar que o tempo congele.
Quando você se tornar mãe, eu desejo que viva essa experiência intensamente, curta  cada minutinho, aproveite os choros, as birras, as noites em claro, o corpo febril depois das vacinas, a bagunça que ficou espalhada pela casa.
Eu tinha um plano, achava que tinha tudo sob controle. Eu pensei que fosse uma mãe multifunção, que lava, passa, cozinha, brinca, pula, conta histórias. Mas minha filha veio me tirar da zona de conforto. Ela me mostrou que além de mãe, sou humana. Me canso, me estresso, contudo não deixo de ser uma mãe carinhosa e dedicada. Ela me mostrou que a bagunça espalhada pela casa, a louça na pia, a roupa para estender e o arroz queimado fazem parte. Ela me transformou. Me tornou uma pessoa mais determinada, segura, destemida, muito diferente do que eu era. Aprendi que nada te prepara para ter um filho, nada te prepara para se tornar forte, corajosa e firme.
Então você vai ser tornar mãe e quando  for deitar na cama exausta, vai perceber um sorriso involuntário no canto do rosto, porque mesmo cansada estará satisfeita, completa...Ser mãe justifica e valida a vida.



25 de novembro de 2017

O que você está lendo?





Confesso que achei o nome estranho, mas resolvi dá uma chance a ele. Ainda estou no comecinho, posso dizer que estou gostando. Já conhecia a autora Becca Fitzpatrick, li o primeiro livro da série Hush Hush "Crescendo", acho sua escrita corrida e rica em detalhes.
Espero acabá-lo antes do ano acabar, não me critique! Você é mãe? Se é, vai me entender. Se não é, espera só rs.

Assim que acabar, corro aqui pra contar para vocês!





E vocês já leram Gelo Negro? Gostaram? Comenta aqui ;)
26 de maio de 2017

Amazon | Londres - Do amor nascia a incerteza


Olá, Londrinos de Plantão =)

Vim correndo avisá-los que meu "filho" Londres, está em venda na Amazon!! Garanta já o seu ;)



Sinopse


Este é apenas um poema de amor... Escrito em um pedaço de papel (...) Durante uma viagem para Londres Clara Giombelly percebe que para sua felicidade é preciso fazer escolhas.

“O passado não volta, e a felicidade só depende de nós”.

 Londres foi o cenário de uma linda e emocionante história de amor, no qual, o destino brinca de unir e separar duas almas apaixonadas.Clara e Adam vivem um conturbado relacionamento que nos faz questionar até que ponto vale a pena deixar um grande amor e viver uma vida de mentiras.
2 de março de 2017

A gestação mudará você





O primeiro post de 2017 não podia ser outro! No ano passado eu me tornei mãe e no post abaixo, eu conto um pouquinho da minha nova experiência que sem dúvida transformou a minha vida. 

Você é mãe? Tem vontade de ser? Deixe seu comentário, vamos trocar figurinhas :)


Eu não consigo ouvir no noticiário uma historia triste envolvendo crianças e não me emocionar. Quando vejo um bebezinho meu coração amolece, extinto materno. Sem dúvida a Érica de hoje não é a mesma de um 1 ano há atrás, minha cabeça, meus assuntos mudaram muito quando descobrir que iria ser mãe.

Eu sempre sonhei com a gravidez, ficava imaginando como seria quando descobrisse, qual seria a minha reação, qual seria a reação do meu esposo, como ia ser quando ouvisse os batimentos do coraçãozinho, quando sentisse seu primeiro movimento... Em 2016 graças a Deus fui abençoada com essa dadiva e puder sentir todas essas sensações.

Como tudo na vida a gestação tem lá suas fases ruins, eu não sentir tantos enjoos, nunca cheguei a vomitar (fico muito grata por isso), o estomago embrulhava algumas vezes, enjoei várias coisas que gostava, amei outras que não gostava tanto, o cansaço aumentou e muito, você não consegue ter a vitalidade de antes, o sono? Quase não sentir, magina! (era só encostar que eu dormia sem peso na consciência). As infinitas idas ao banheiro bem no meio daquele sono gostoso... a tristeza chega quando você olha suas roupas e elas não lhe cabe mais - isso com certeza mexe com autoestima da mulher. 

O apoio do marido nessas horas é fundamental, o meu me motivava dizendo que estava linda, eu estava me sentindo horrível, contudo, o elogio era bem-vindo, adorava quando ele me chamava de barriguda. Alias, ele foi incrível, me mimou, pegou muito no pé, não me deixou passar vontade, fez meus gostos... Se eu tinha alguma duvida antes, hoje tenho absoluta certeza, ele é um excelente pai.

Em abril eu descobrir que estava grávida e desde então o tempo voou... Laura nasceu no dia 07 de novembro, um mês antes do previsto, a apressadinha estava achando tudo muito monótono na barriga da mãe e resolveu vir ao mundo, me deixando maluca, levei um baita susto, até ontem eu respondia por mim,hoje ser responsável por uma coisinha tão indefesa, me mudou. Tive que ser forte para aguentar os dias difíceis na UTI Neo, a vinda para casa sem ela e depois da alta, me adaptar a nova rotina, interrogações,inseguranças... essas coisas ninguém conta para você.

Sua vida muda depois dos filhos, ah seu sono também – dormir 6 horas isso é para os fracos, eles choram você se desespera quando não consegue identificar o motivo do choro, o cansaço bate, seus olhos querem fechar involuntariamente, mas tem que trocar a fralda, amamentar, ninar...

Claro que tem um lado muito bom, quando está amamentando ela me olha nos olhos, se está com medo seus dedinhos se enrolam nos meus... numa conexão nossa... num amor só nosso.

O que as pessoas falam tem muita verdade: você passa a entender uma mãe – quando se torna uma. Ah, outra coisa que ninguém conta para você: mãe sofre demais!

Com certeza a gestação mudará você.
10 de junho de 2016

Se você recebe ódio, pague com amor





Ás vezes eu sinto que o mal sobressai o bem, que as lutas são infinitas e as tristezas nunca cessam. Mas acredito que por mais desgastante que seja as dificuldades, existe uma força maior que nos impulsiona a continuar lutando.

É claro que a vida muda as ordens, bagunça tudo e quando menos esperamos tira o nosso sossego. Algo que vamos passar mais cedo ou mais tarde, a única diferença é de como aceitamos isso.

Cada pessoa tem sua opinião e pontos de vista diferentes. Cada um tem uma forma de agir diante das adversidades, se aprendemos com os erros, ou nos oprimimos e culpamos alguém por nosso sofrimento – tudo é reflexo do nosso olhar. Ele determina o nosso sentimento, se nos enchermos de esperança, se proferimos coisas ruins ou simplesmente agradecemos.

Fico indignada quando vejo alguém desejando mal para o outro, por um motivo banal. O mais engraçado é, que se somos compreendidos devolvemos com um sorriso, agora se não somos... rebatemos com “ódio”.

Temos a tendência a achar que nossos problemas são maiores, que a grama do vizinho é mais verde, somos egoístas, isso é inegável. O ser humano é incapaz que ouvir critica, a não ser construtiva. É muito mais fácil, apontar o erro do outro, do que o nosso.

Conheço pessoas que se fazem de vitima, transfere a responsabilidade por o outro, assume que é infeliz, fala aos quatro ventos que não tem sorte, não consegue enxergar uma solução para o problema, por que está muito preocupado cuidando da vida do outro.

Acredito que tudo é reflexo do que plantamos, se plantamos amor – óbvio que recebemos amor. Se somos cegos de ódio, seremos rancor. Eu sei que a vida não anda fácil para ninguém, contudo, se ficarmos presos por qualquer besteira o tempo passa e a leveza da vida vai ficando para trás.
10 de fevereiro de 2016

Capa: Londres - Quando passado e o presente se encontram





Terminou de escrever um livro? Que maravilha! Só que não.

Pelo menos eu leio e releio meus livros um milhão de vezes, mudo uma coisinha ou outra (claro sem perder a essência), aí você manda o livro para revisão para dá aquele trato. Mas tem também a capa, divulgação, patrocínio...

É, e você que achou que fosse fácil ser escritor, não é?

Ser escritor não é só sentar o bumbum na cadeira, ficar em frente ao computador e escrever; você precisa ser criativo, curioso, sensível e maluco. Não é todo dia que a criatividade resolve te visitar, se você é criativo every day, me passa a receita, okay? Tem dias que ela faz falta.

Eu sou muito curiosa, tenho sede de aprender, sem dúvida as pessoas tem muito a nos ensinar. Fazer poesia é fácil, mas brincar com as palavras e transformá-la em poema... Tem muito amor envolvido – só quem ama a escrita como um escritor – entende do que eu estou falando. Nós somos malucos de pedra, nossos personagens dominam nossa mente, entram no sono, nos acordam durante a noite.

Quer saber de uma? Eu gosto desse mundo, amo cheirar um livro, entrar em numa livraria só para apreciar. Coisa de maluco, mas é bom demais! Mal posso esperar para cheirar, segurar e abraçar meu filho!

Fiz esse post no intuito de mostrar a capa do meu segundo livro, não ficou linda? Mãe coruja mesmo! Agora só falta revisar entre outras coisinhas.




O que acharam da capa? Já leram Londres I? Não.Estão esperando o que? rs.
 

Primeiro Livro © 2012 - Todos os Direitos Reservados. Amanda Cristina